Este site usa cookies para melhorar a navegação. Ao navegar no website concorda com o seu uso. Para saber mais leia a nossa Política de Cookies.

Jornal de Negócios    por    Cofina Boost Content

Partilhar nas redes sociais

Saiba como investir de forma sustentável, além de rentável

Saiba como investir de forma sustentável, além de rentável

Investir implica pensar nas suas rentabilidades futuras, mas e se lhe dissessem que pode investir de forma rentável tendo também em conta o futuro e a sustentabilidade do planeta? Saiba como.

As mudanças climáticas, demográficas e tecnológicas estão a transformar o planeta e o universo dos investimentos não é alheio a estas alterações. A rentabilidade deve estar alicerçada na honestidade ambiental e social e é aqui que os investimentos ASG, alicerçados em fatores ambientais, sociais e de governo corporativo, assumem um papel fulcral. Trata-se de um conjunto de padrões para avaliar as operações de uma empresa que os investidores podem usar para selecionar potenciais investimentos.

Os fatores ambientais estão vinculados a recursos naturais, poluição, alterações climáticas, emissões de carbono, eficiência energética, etc. Têm em conta o desempenho de uma empresa enquanto entidade que respeita e zela pela natureza (ou não) e podem incluir a avaliação de consumos energéticos, gestão de resíduos, conservação de recursos naturais e tratamento de animais. Os fatores sociais estão associados a mudanças demográficas, gestão do capital humano, igualdade de oportunidades, respeito pela diversidade, segurança no trabalho, etc., de modo a avaliar a forma como uma empresa gere as relações com funcionários, fornecedores, clientes e as comunidades em que atua. Os fatores de governo corporativo referem-se, por sua vez, a práticas internas da empresa, estrutura e independência do conselho de administração, transparência para com os acionistas, remuneração de executivos, auditorias, controlos internos, etc.

Neste sentido, ao nível ambiental, podem valorizar-se empresas que publicam relatórios de emissões de gases de efeito estufa, limitam poluentes e produtos químicos prejudiciais e usam fontes de energia renováveis. Ao nível social, empresas que operam numa cadeia de fornecimento ética, incentivam a diversidade e pagam salários justos. Ao nível da governação, podem privilegiar-se empresas que valorizam a transparência e a ética nas suas decisões, seguem políticas de inclusão e cujo conselho de administração espelha diversidade.

Estratégias de investimento combinadas

O investimento ASG também é referido como investimento sustentável, investimento responsável, investimento de impacto, ou investimento socialmente responsável (ISR). É possível fazer investimentos sustentáveis através de várias estratégias que podem ser combinadas:

Integração ASG, valorizando os fatores ambientais, sociais e de governação;

Exclusões, rejeitando empresas ou investimentos que envolvam armas, risco ambiental, energia nuclear ou a carvão, tabaco, testes em animais, pornografia, etc.;

Best-in-class, privilegiando os “melhores” num universo de investimentos;

Screening, privilegiando o respeito pelas normas e padrões internacionais;

Compromisso ou engagement, priorizando o diálogo investidor-empresa sobre a sustentabilidade;

Investimento de impacto, tendo em conta o impacto ambiental ou social mensurável;

Investimentos temáticos, focados em um ou mais “macrotemas” relacionados com a sustentabilidade.

Investir de forma sustentável não é sinónimo de um menor retorno, pelo contrário. Optar por investimentos sustentáveis ajuda a correr menos riscos e a aproveitar oportunidades que vão além do ciclo económico e de aspetos meramente financeiros. Os critérios ASG podem ajudar os investidores a evitar empresas que possam representar um maior risco financeiro devido às suas práticas ambientais ou outras. Por exemplo, de acordo com a Schroders, um terço das receitas dos produtores de embalagens de plástico pode estar em risco e 5% das margens das empresas de bebidas não alcoólicas que não renovem as suas embalagens estão ameaçadas. Já as empresas de gestão de resíduos poderiam registar um crescimento de mercado de 9%, e 40% da quota de mercado dos polímeros tradicionais poderia ser conquistada pelos bioplásticos na indústria química. As marcas mais “saudáveis” também têm vindo a tirar quotas de mercado às empresas “Big Food” tradicionais, representando oportunidades potenciais para os investidores.

Investimento sustentável a crescer

Segundo Elliott Harris, economista-chefe da Organização das Nações Unidas (ONU), “as questões ambientais e sociais estão a tornar-se centrais para os modelos de negócio que as empresas estão a usar e para os quais os investidores estão a olhar”. “Os bancos centrais e reguladores financeiros estão a questionar que tipo de informação as empresas e instituições financeiras devem reportar para dar uma noção clara da sua posição em matéria de ASG”, afirmou o também secretário-geral adjunto de Desenvolvimento Económico da ONU, numa entrevista de março de 2021. Elliott Harris frisou ainda que “a agenda ASG corresponde muito de perto à agenda dos objetivos de desenvolvimento sustentável” da ONU, que incluem o combate às alterações climáticas, a erradicação da pobreza, a igualdade de género e o consumo e produção responsáveis. “Gosto de pensar neles [critérios ASG] como a faceta corporativa deste movimento global maior”, disse.

Em 2020, os investimentos sustentáveis cresceram para 35,3 biliões de dólares (cerca de 30 biliões de euros) à escala global, um aumento de 15% em dois anos, e o correspondente a 36% de todos os ativos sob gestão nos Estados Unidos, Canadá, Japão, Australásia e Europa, de acordo com dados da Global Sustainable Investment Alliance (Aliança Global de Investimento Sustentável). E segundo o último relatório ESG 2021 Midyear Outlook da Bloomberg Intelligence, os ativos ASG sob gestão à escala global devem superar os 50 biliões de dólares em 2025 (cerca de 43 biliões de euros).

Cada vez mais sociedades gestoras e consultores financeiros têm a preocupação de oferecer aos clientes opções de investimento sustentáveis, que apliquem os critérios ASG. O ActivoBank disponibiliza fundos de investimento temáticos, que permitem aos investidores antecipar tendências e ter um papel no futuro do mundo. É possível escolher fundos do setor da sustentabilidade, da água, da saúde, da biotecnologia. A oferta do setor sustentabilidade permite aos investidores fazerem aplicações que contribuem para a erradicação da pobreza e implementação de projetos que evitam a emissão de CO2.

No âmbito da sua política de sustentabilidade, o ActivoBank lançou recentemente dois produtos de crédito pessoal focados na eficiência energética e energias renováveis. O Crédito Pessoal EcoActivo destina-se à aquisição de soluções de eficiência energética, nomeadamente, bicicletas elétricas, eletrodomésticos sustentáveis A+ ou superior, colocação de janelas mais eficientes, isolamento térmico, sistemas de iluminação mais eficientes, entre outros. Já o Crédito Pessoal +Energia destina-se a financiar a compra de equipamentos para produção de energias renováveis, nomeadamente, sistemas de energia renovável para climatização e produção de água quente sanitária, sistemas de produção e armazenamento de energia renovável para autoconsumo e pontos de carregamento de veículos elétricos.

Estes dois créditos permitem ainda a legibilidade para outras comparticipações de fundos nacionais, como o Fundo Ambiental.

A app do ActivoBank também contribui para que cada cliente minimize a sua pegada de carbono, uma vez que reduz a necessidade de deslocações a um balcão, já que reúne todas as informações online e facilita a comunicação com o banco. E como todos os dados necessários estão disponíveis a qualquer momento no telemóvel, também há menos necessidade de impressões, reduzindo o desperdício de papel.


Saiba mais como investir, através dos nossos serviços.